O Fermento De Deus Download PDF

Doutrina da Mensagem

fermento de Deus

17 de abril de 2012

São José – SC

 Ir. Diógenes Dornelles

 O Fermento de Deus

17 de abril de 2012

São José – SC

Irmão Diógenes Dornelles

 

1                    Boa noite amada igreja. Saúdo a todos com a graça e com a paz do nosso Senhor Jesus Cristo. Amém. Nós temos a intenção então de dar prosseguimento adiogenes um estudo que nós começamos no culto passado. No Culto de Ceia nós tratamos sobre o tema da Parousia tentando ali responder algumas perguntas.[1] Eu quero que você faça a leitura da Bíblia junto comigo no mesmo texto que lemos no culto anterior, lá em 2 Coríntios 2:14, e depois vou também querer que você agregue a essa leitura o texto de Mateus 13:33. Vamos ler essas duas Escrituras para a nossa meditação. 2 Coríntios 2:14 e Mateus 13:33…

 2                    Diz assim a Palavra do Senhor:

Graças, porém a Deus, que, em Cristo, sempre nos conduz em triunfo e, por meio de nós, manifesta em todo o lugar a fragrância do Seu conhecimento. Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem. Para com estes, cheiro de morte para morte; para com aqueles, aroma de vida para vida.

 Agora Mateus 13:33, a Palavra do Senhor diz assim:

Disse-lhes outra parábola: o reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher tomou e escondeu em 3 medidas de farinha, até ficar tudo levedado.

 Diga “graças a Deus” [“Graças a Deus”] Vamos falar com o Pai.

 3                    Pai celestial, aqui estamos reunidos em Teu Nome Te dando graças por mais uma oportunidade que Tu nos concede, Senhor, de aqui meditarmos na Tua Palavra e exaltarmos o Teu santo Nome, e porque foi para isto que Tu nos fez, Senhor; estamos aqui para Te adorar e te exaltar, essa é a razão de nós vivermos, Senhor, e estamos aqui conscientes de que Tu estás recebendo, ó Pai amado, o sacrifício de louvor que sai dos lábios dos Teus filhos esta noite, ó Pai. Te somos gratos por esta oportunidade e pedimos ao mesmo tempo que Tu abras o nosso entendimento, ilumine os olhos do  nosso coração para a compreensão da Palavra dessa noite, Senhor, e que Ela possa trazer refrigério [“Amém”], e que esta Semente que está sendo plantada hoje, que a Tua Palavra frutifique não a trinta, não a sessenta, mas a cem por um, Senhor. Enche-nos com o Teu gozo nesta noite, neste lugar, porque aqui estamos reunidos somente com um propósito que é Te exaltar e Te glorificar com as nossas vidas, [“Amém”] aqui nos rendemos a Ti, no Nome do Senhor Jesus Cristo; tome posse de cada vida que está aqui, de cada lar aqui representado, Senhor, que possa aqui a Coluna de Fogo se manifestar nesse lugar agora guiando os Teus filhos, guiando o Teu povo Senhor, para que eles possam marchar triunfantemente em glória até que o Teu Filho possa vir e tomar a Sua Noiva, porque é para isso que estamos aqui. Estamos aguardando este momento que é precioso, é tudo que nos importa. Toma-nos nas Tuas mãos agora, Pai. Levamos cativo os nossos pensamentos à Tua obediência para a Tua Palavra, em o Nome do Senhor Jesus Cristo, é o que nós Te pedimos e Te agradecemos. Amém e amém.

 Sublime graça do Senhor

Que a um infeliz salvou

Eu cego fui, mas vejo já

Perdido Ele me achou.

 Podem se sentar, queridos. Aleluia. Santo, santo, santo é o nome do Senhor Jesus Cristo.

 4                    No culto passado nós tentamos responder algumas perguntas. Nós queríamos saber de que maneira que esta Parousia, esta Presença que o profeta chamou de “Aparição” está Se manifestando em nosso meio. Como que nós poderíamos discernir o que Ela está fazendo, qual é o objetivo Dela. Podemos ver? De que maneira Ela está sendo manifestada? Nós tentamos responder essas perguntas com base nas Escrituras, e nós conseguimos aqui compreender e falar que esta Parousia, este mover de Deus, é o mesmo mover que Deus está fazendo tanto agora na última era da Igreja como também fez lá no começo, na primeira era. Porque é o mesmo Deus, Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

5                    Nós falamos que Deus Se manifestou de uma forma particular na primeira era derramando-Se de Si mesmo na forma de línguas repartidas, uma medida, uma medida de Deus mesmo sobre cada filho que estava ali reunido. Não foi como foi com o Filho de Deus porque lá você não tem uma Escritura dizendo que a Pomba Se repartiu ou que uma pena caiu… você tem lá toda a Pomba sobre o Filho, mas ali em pentecostes, no pentecostes, cinqüenta dias depois da festa da páscoa, ali você tem o Espírito Santo sendo derramado novamente sobre a Igreja, de uma forma peculiar, especial, sobre toda a Igreja, porém em medida. Aquilo era um mover de Deus, aquilo era a Parousia, era a Presença de Deus, Deus mesmo no Seu povo, Deus mesmo nos Seus filhos.

 6                    E depois nós falamos que quando esse pentecostes ocorre, o Espírito Santo sela aquele povo, batiza e eles falam em línguas e os dons são manifestados, e depois mais adiante nós vimos que a Coluna de Fogo, Deus, Ele não parou por ali, Ele continuou operando, Ele continuou trabalhando. Deus na forma da Coluna de Fogo foi procurar um mensageiro, um apóstolo para trazer à ele uma Mensagem especial para fazer com que o povo fosse estribado, fosse firmado doutrinariamente na Palavra. Este homem foi usado por Deus para trazer a ordem da igreja, para por os dons em ordem, para por a Igreja em ordem conforme a Palavra revelada para aquela hora. Isso foi o mover de Deus, Deus trabalhando com o Seu povo.

 7                    E agora nós vemos que depois nesta última era Deus operou a mesma coisa. Houve um pentecostes, um outro derramar do Espírito Santo sobre a Igreja, houve a restauração dos dons e o povo começou a falar em línguas, e sinais e profecias; depois mais adiante – a mesma coisa – a Coluna de Fogo aparecendo para um homem, para o último mensageiro dessa era, William Branham, capacitando ele com um dom especial, peculiar para essa era, que você jamais viu até então e que jamais será outra vez repetido. [“Amém”] Isso tudo é o mover de Deus, isso tudo é a Parousia que a Bíblia tem aí… você pode ver, a palavra é “vinda”, mas no grego está “parousia”, e a tradução correta de “parousia” não é “vinda”, porque segundo os mais especializados no grego “parousia” não se refere a um evento só, mas a uma concatenação, ou seja, um ajuntamento de vários eventos, uma série de eventos; porém os estudiosos do grego só disseram isso, mas não souberam sequer dizer que eventos seriam esses. Eles não tinham como identificar exatamente quais eram os eventos.

 8                    E eu aqui dei a minha opinião pessoal; Rotherham – que foi quem viu isso – eu tenho uma opinião de que se Rotherham tivesse visto os sinais que Deus estava operando na vida de William Branham ele teria visto [em seu ministério] estes pequenos eventos que ele previu, que ele viu conforme o estudo do grego mostrava, sendo cumprido no ministério de William Branham. Ele poderia ter visto os sinais e ter dito: “Isso faz parte da Parousia da qual eu falei; essas séries de eventos que eu não sabia dizer o que era; agora estou vendo! É isso! A Parousia está começando!”. Se ele tivesse vivido para ver – eu creio, é a minha opinião – ele teria identificado e dito: “Isso é a Parousia de que falei. [Jesus agora pode vir a qualquer momento]”.

 9                    Porque a Parousia não é uma “Vinda”, Ela é uma série de eventos que culminará com a Vinda de Jesus. E o profeta dessa era fez questão de separar para o povo de que primeiro ocorre uma “Aparição”, é a palavra que ele usou, para depois uma Vinda. Primeiro uma Aparição para depois vir, e o que você tem agora é a Aparição, são os sinais da Sua Vinda.

 10                E nós vimos que o povo da Mensagem tem se confundido um pouco com isso porque eles tem visto os sinais e tem dito: “É a Vinda!”. E eu também tenho tentado explicar para a igreja que essa confusão que tem se generalizado nos grupos da Mensagem é o mesmo tipo de confusão que você vê lá na primeira era. Porque paralelo ao ministério de Deus, paralelo à Mensagem de Deus que tem sido entregue, existe um outro ministério tentando passar uma outra mensagem para o povo. E lá na primeira era da igreja você vai ver que alguns se confundiram, porque viram sinais e disseram: “Isso é a Vinda! Jesus já está aqui!”. Estavam usando até mesmo epístolas de Paulo dizendo que Jesus já estava ali,  que o Dia do Senhor já havia acontecido, e Paulo disse: “Por favor, não vos demoveis de vossa mente, não mude o que eu falei, não se deixe levar por alguém que tem dito que eu falei alguma coisa; eu não disse que Jesus já está aqui. O Dia do Senhor ainda não aconteceu”.

 11                E nestes dias em que estamos vivendo nós temos a mesma coisa. Nós temos aí um ministério paralelo trabalhando e usando até parágrafos da Mensagem do profeta e dizendo que Jesus já veio. E eu aqui tentei mostrar para você – nós lemos aqui algumas cotas – onde o profeta mesmo depois dos selos terem sido abertos, a nuvem ter aparecido e ser fotografada, os anjos se manifestarem… o profeta continuou dizendo: “Estamos aguardando a Vinda do Senhor”. Eles pegam os sinais e dizem: “Isso já é a Vinda”. Quando o profeta disse: “Não, eu estou esperando – nós estamos esperando – estamos aguardando isso”.

 12                Eu lembro que eu li algumas citações e eu tenho mais uma aqui que eu queria ler para você que é [de uma mensagem] que o irmão Branham pregou trinta dias antes do Senhor recolhê-lo; mensagem que ele pregou em Shreveport, dia 25 de novembro de 65, “A União Invisível da Noiva”, trinta dias antes, aproximadamente, antes da partida do profeta. Veja, até o final do seu ministério ele continuava dizendo a mesma coisa, ele diz aqui no parágrafo 19 e 20:

 13                E não é dirigida a ninguém, a nenhuma pessoa em particular ou algo só à igreja, ao Corpo de Cristo, que estamos tratando de dirigi-lo a pensamentos mais profundos e objetivos mais altos, crendo que a Vinda do Senhor Jesus está próxima. Cremos nisso muito mais. Está vinte anos mais próxima do que esteve da primeira vez que vim a Shreveport. Oh! Tem ocorrido tanto desde este tempo. Agora estamos esperando pela Vinda do Senhor em nossa geração. [“Amém”] Eu não estou esperando por avivamento em nossa geração, (Não!) estou esperando pela Vinda do Senhor em nossa geração.

[O profeta não estava aqui se referindo a uma terceira vinda, supondo que a segunda já tivesse ocorrido há dois anos atrás, porque aqui ele está fazendo uma contagem desde os dias em que ele esteve em Shreveport pela primeira vez, que foi em junho de 1947. Se ele estivesse esperando já pela terceira vinda, ele começaria a contar desde 1963 e não desde sua primeira visita àquele tabernáculo.]

 14                Trinta dias antes de partir o profeta dizia: “Eu ainda estou esperando a Vinda do Senhor”. E a mensagem da Parousia não é outra a não ser essa: “Prepare-Se Noiva! Prepare-Se Igreja! Jesus está vindo, o Noivo está vindo para Te buscar!”. Essa é a mensagem da Parousia. E essa mensagem, essa Parousia, está preparando você para isso. Nós vimos de que forma… nós fizemos aqui uma comparação de uma estrada, (não é isso?) nós lemos algumas Escrituras e eu fiz questão de ler para você Isaías 40:3, e eu vou ler de novo porque eu amo essa Escritura, e eu faço questão de ler de novo porque o povo da Mensagem está pensando que Isaías 40:3 já acabou. Eu quero dizer para você meu querido e amado irmão e irmã: Isaías 40:3 continua sendo cumprido hoje, agora! [“É verdade”] Isso não foi só para o passado. O povo da Mensagem não lê mais Isaías 40:3.

 15                Vamos lá. Isaías 40:3. Eu amo essa Escritura:

Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor… (O caminho está sendo preparado! Essa obra não parou! Deus está aqui preparando o caminho do Senhor) …endireitai no ermo vereda ao nosso Deus. Todo o vale será aterrado, e nivelados, todos os montes e outeiros; o que é tortuoso será retificado, e os lugares escabrosos aplainados. A glória do Senhor se manifestará e toda a carne a verá, pois a boca do Senhor o disse.

 16                 Esta obra de aplainar os caminhos, retificar, endireitar o que está torto, aterrar, nivelar o que está acidentando… isso não é uma obra visível. Não é uma obra que você vê aí, uma terraplanagem passando, não é isso. Não é uma coisa que você pode dizer: “Aí está”. Jesus disse que o Reino dos céus não é por observação, não é uma coisa que alguém pode dizer: “Olha lá o que está acontecendo. Olhe ali!”. Não! Essa é uma obra silenciosa! [“Aleluia”] É uma obra escondida, é uma obra oculta aos olhos do sistema denominacional; eles não tem como identificar isso sequer com as Escrituras, mas a Parousia está à pleno vapor, está acontecendo. [“É verdade”].

 17                Essa obra está sendo operada agora em nosso meio, essa estrada está sendo preparada, esses entulhos estão sendo removidos, o caminho está sendo preparado. Agora, onde que é feita essa obra então? Essa obra é feita no coração de cada eleito, filho de Deus. Você é eleito para essa hora, para receber essa Mensagem; essa obra está sendo feita agora. Deus está aplainando o teu coração. Salmo 84:5, “Bem-aventurado é o homem cuja força está em Ti e em cujo coração estão os caminhos aplainados”.

18                Agora, como é que Ele vai aplainar os caminhos do teu coração? Com a Mensagem de Elias, porque ele veio para aplainar e converter os corações dos filhos de volta aos pais da Igreja. Essa é a obra que Deus está fazendo aqui. Isaías 40:3 não foi só para João Batista. Eu tenho tentado dizer para você: Elias… esse é o ministério de Elias, não é só de João Batista; é também o ministério de William Branham. William Branham também cumpriu Isaías 40:3 porque na verdade essa é a obra do ministério do Elias, e o Elias da Igreja não é outro senão Deus mesmo, o Espírito Santo [“Amém”] Deus está aqui fazendo essa obra. [“Glória a Deus”]

 19                Então é uma limpeza, é uma purificação que Deus está fazendo; está removendo todos os entulhos denominacionais, todos os estatutos de igreja, todos os credos, todos os dogmas, todas as tradições, todos os rudimentos do mundo para que o filho de Deus possa receber a Palavra legítima e incorruptível de Deus. Essa é a obra que a Parousia está fazendo, Deus está aqui fazendo. É uma obra invisível; eles não conseguem ver.

 20                Essa é uma pista de passagem, e como eu disse, essa Mensagem da Parousia está preparando a você dizendo: “Jesus está voltando! Jesus está voltando! A vinda do Senhor está próxima!”. O profeta terminou o seu ministério dizendo: “Estamos esperando a Vinda do Senhor”. Porque essa é a Mensagem do mensageiro, essa é a Mensagem do Elias.

 21                E essa obra que Deus está fazendo é uma obra de crescimento. É uma obra que Deus está prosseguindo, passo a passo na vida de cada um. Hã? É um nível, um acima do outro. Nosso Deus é um Deus de continuidade. Deus está sempre progredindo e fazendo os Seus filhos progredir e crescer e crescer e crescer e mais e mais e mais… e não há limite para isso, esse crescimento não tem limite, meu querido. Você vai aprender mais e mais e mais e mais até chegar a estatura de varão perfeito, disse o profeta.

 22                Mas você lembra que o profeta também recebeu uma visão onde ele viu a Noiva marchando?  Nós tentamos explicar aqui que essa leitura que nós fizemos de 2 Coríntios onde Paulo diz que Deus nos faz marchar triunfantemente em Cristo, essa é uma obra que a Parousia está operando. E o profeta viu uma visão (ou… alguém me corrigiu, não é “viu uma visão”, mas “teve uma visão”), o profeta teve uma visão da Noiva marchando, você se lembra disso. [“Amém”] E também teve a visão das denominações marchando. Mas vamos nos ocupar com a visão da Noiva. Você se recorda que o profeta viu a Noiva marchando e que nas últimas fileiras, as últimas irmãzinhas lá, as donzelas com seus cabelos compridos e vestes brancas… elas começaram a ficar um pouco desatentas? Elas começaram a olhar para um lado, alguma coisa estava distraindo elas. Elas olhavam para um lado, não sei se era a música; o profeta estava acompanhando tudo isso por visão.

 23                E quando ele viu que elas estavam se distraindo, elas começaram a olhar para os lados e quando ele as viu estavam fora da fileira. E o profeta na visão dizia: “Volte para a fileira! Volte para a fileira! Não Te distraia!”. [“Amém”] Porque há um espírito aqui tentando distrair a Noiva de Cristo! [“É verdade”] E ele vai usar todos os blefes que forem possíveis para te distrair. Vai fazer você ficar atento a uma outra coisa que não é a Palavra de Deus. Vai fazer você por a sua fé em uma doutrina que não é a doutrina do Senhor, dos apóstolos. Vai fazer de tudo para te distrair, para tirar a tua atenção, tirar o teu foco dessa Mensagem e dessa Palavra. Vai criar situações no teu lar, vai criar situações na tua casa, vai criar situações no teu trabalho, vai criar situações na igreja, tudo isso para fazer você tirar essa Mensagem do teu foco.

 24                Mas o profeta disse na visão: “Noiva, não Te distraia, volte para a fileira!”. Essa é a mensagem da Parousia, Deus está aqui dizendo: “Fique atento, fique marchando. Não se desanime, não fique desatento com nada! Não aceite o blefe de Satanás! Não empreste a boca para Satanás para falar de qualquer outra coisa que não seja dessa Palavra. Viva esta Palavra. Não te distraia!”.

 25                O profeta viu isso em visão porque ele viu que Satanás ia fazer de tudo para fazer o Seu povo se distrair. E Deus quer que você cresça meu amado; Satanás não quer isso. Ele vai fazer todo o possível para bloquear, colocar aí uma pedra, um bloqueio nessa estrada. Mas a Mensagem do Elias está aqui para limpar toda a sujeira, através da lavagem da água pela Palavra. [“Amém”] Porque Ele quer promover uma obra, uma obra de crescimento.

 26                E no culto anterior eu disse também… eu estava encerrando dizendo que esta Parousia, este mover, também você vai identificar nas Escrituras com a palavra de “reino dos céus” ou “reino de Deus”. O reino dos céus ou reino de Deus é este mover, é esta Parousia que Deus está operando. O profeta disse no sermão chamado “Shalom” que todo o Novo Testamento fala dessa hora. E aquelas parábolas que você lê lá em Mateus 13, onde fala das parábolas do reino dos céus, aquelas parábolas falam dessa hora, do que está acontecendo agora.

 27                E eu li para você um texto que eu vou querer ler de novo de uma tradução que fizemos de um sermão do irmão Lee Vayle chamado “Perguntas e Respostas Nº 3”, eu espero que tenha sido passado aqui para os irmãos… (Ok, o pastor está confirmando) onde no parágrafo 48 o irmão Lee Vayle aqui faz uma leitura de Lucas 17:20-21:

 28                “E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem por observação”.

E eu chamei a sua atenção de que essa tradução “observação” foi uma tradução que eu fiz direto do inglês lá como está. “O reino dos céus não vem por observação”. Aí o irmão Lee Vayle diz:

Ele não disse: “não veio”. Aqui diz que Ele veio, mas ninguém poderia vê-lo.

Não é uma obra pública, não é uma coisa pública. A terceira etapa não é uma demonstração pública, e isso foi para quê? Para não ser o quê? Manufaturado [“Amém”], copiado; não é uma coisa pública.

 29                …Aqui diz que Ele veio, mas ninguém poderia vê-lo. “Nem dirão: ‘Ei-lo aqui!’ Ou: ‘Ei-lo ali!’; porque eis que o reino de Deus está entre vós”. (Ou dentro de vós. O reino de Deus, o reino dos céus, a Parousia, a Presença de Deus, este mover de Deus está dentro de você) A palavra “dentro” teria um sentido duplo aí. O irmão Branham nos contou que toda a Escritura é composta de um duplo sentido. E um dos sentidos definitivamente é “entre vós” e um é “dentro de vós”.

Ou seja, tanto faz dizer que essa Parousia, essa Presença está entre vós, em meio a vós, como também dizer que está dentro de vós. [“Amém”] Tem um sentido duplo. Ambos são válidos. Esse mover está acontecendo ao nosso redor e dentro de nós.

 30                Assim, portanto, o reconhecimento seria o reino de Deus “em você” que está respondendo ao reino de Deus “em meio a você”, (ao redor de você) e você seria o único que poderia vê-lo (O sistema denominacional não pode ver isso) porque você já é uma parte desse reino. (Você foi gerado desse Reino, porque esse reino é o reino de Deus, é a Palavra de Deus, e você foi gerado por essa Palavra, você é parte Dela) …E essa é a verdade. Veja o significado composto. Somente o eleito pode ver isto. Se você veio de Deus e você é uma parte de Deus, você verá isto. Se você não é, você não verá.

 31                O reino dos céus… E como eu disse, Jesus usou algumas parábolas para ilustrar o reino dos céus, e nós fizemos a leitura de uma delas. Mateus 13:33, é a parábola da farinha e do fermento. Eu vou ler de novo:

Disse-lhes outra parábola: o reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher tomou e escondeu em 3 medidas de farinha, até ficar tudo levedado.

Jesus disse: “O reino dos céus…”. Se é o reino dos céus você já está entendendo.

 32                Agora, existe uma grande tradição em cima dessa passagem. O sistema denominacional deu uma interpretação totalmente contrária àquilo que Jesus estava propondo quando falou dessa parábola. E eu tenho o desconforto de dizer para você que nós temos ministros dentro dessa Mensagem usando a mesma interpretação denominacional dessa parábola para o povo de Deus, para o povo da Mensagem, misturando a interpretação denominacional com a Mensagem.

 33                Jesus aqui está falando do reino dos céus. O reino dos céus é comparado ao fermento. E essa interpretação denominacional que é muito aceita aí fora partiu de um estudioso… eu vou tentar aqui quebrar uma tradição e isso vai levar um pouquinho de tempo, você vai ter que ter paciência comigo. Eu não tenho aqui desejo nenhum de combater um ministro que pregou ou… eu não vou aqui tentar quebrar o galho, eu vou direto à raiz, eu vou tentar aqui mostrar para você quem primeiro começou a fazer isso, quem foi o primeiro a dar essa interpretação, que é uma interpretação errada.

 34                Um ministro denominacional chamado Herbert Lockyer escreveu um livro em 1963 intitulado “Todas as Parábolas da Bíblia”. Esse livro se tornou um best seller e é um livro de cabeceira dos principais seminários teológicos; é um referencial. “O que significa tal parábola?”. “Vamos para Lockyer, ele deu a resposta! Está lá no grande livro”, são quase – quase 400, 500 páginas, é um livro imenso. Esse foi o segundo livro; uma outra obra anterior foi “Todos os Milagres da Bíblia”; ele pegou todos os milagres da Bíblia do Antigo e Novo Testamento  e deu uma explicação para cada um porque eles possuem um simbolismo. Depois ele fez essa outra obra com as parábolas, todas as parábolas do Antigo e Novo Testamento… Eu vou dizer a você que muita coisa que está ali pode ser aproveitado, muita coisa é boa, mas quando ele chegou aqui nas parábolas do reino este homem pecou, ele cometeu muitos erros.

 35                Mas o sistema denominacional aceitou, como se o que ele coloca ali fosse realmente aquilo que a Palavra de Deus está propondo. Eu vou repetir: nós temos ministros da Mensagem crendo nessa interpretação e trazendo para o povo da Mensagem, trazendo um alimento denominacional para dentro dos tabernáculos.

 36                E qual foi a interpretação que esse homem deu? Ele disse que esse reino dos céus na verdade não é o reino dos céus… mas aqui já começa o problema. Jesus disse “O reino dos céus…”, meu irmão, não mude, aceite a Palavra como Ela está! Não mude isto aqui. O reino dos céus é semelhante ao fermento! Mas esse ministro disse: “Não é que é o reino dos céus, mas na verdade é uma coisa que pode parecer… é parecido com isso, mas na verdade é diferente daquilo que poderia ser…”. Enfim, um jogo de semântica qualquer para tentar mudar as Palavras de Jesus.

 37                Tudo isso porque a palavra “fermento” tem um simbolismo na Bíblia, e você sabe que fermento na Bíblia simboliza pecado. Jesus mesmo quando foi fazer referência a uma doutrina falsa Ele disse: “Cuidado com o fermento dos fariseus”.[2] Então o que este homem aqui fez? Ele pegou este significado das Escrituras e disse: “Este fermento aqui da parábola também possui o mesmo significado”, e foi aí que ele pecou… foi aí que ele errou!

 38                Este fermento aqui não tem o mesmo simbolismo que das outras ocasiões. Quando Jesus disse: “Cuidado com o fermento dos fariseus”, Ele não estava contando uma parábola; mas aqui é uma parábola, [“Aleluia”] e por ser uma parábola este fermento tem um outro sentido, uma outra conotação.

 39                Então o que este homem tentou fazer? Ele tentou aqui criar – e eu vou fazer aqui alguma leitura desse livro, é importante, eu estou tentando quebrar uma tradição aqui, é uma coisa difícil, você vai ter que ter um pouco de paciência comigo – este homem tentou aqui então arrazoar os seus argumentos. Eu quero ler para você o que ele escreveu.

 40                Ele diz aqui:

Fermento. Começaremos com esse polêmico produto, visto que fermento, quando utilizado de forma figurada, como acontece nessa parábola, obviamente significa algo ruim. (Então na interpretação dele esse fermento aqui não é o reino dos céus. Está escrito que é o reino dos céus, mas para ele não é; é algo que não presta, então ele está dizendo que o reino dos céus não presta, que é algo ruim. Vamos lá) …Afirmar que um símile(preste muita atenção nisto aqui. Isso aqui é um sofisma que eu vou ler para você, mas eu vou desmascarar agora mesmo. Preste atenção nisso) …Afirmar que um símile pode significar tanto algo bom como ruim, é violar a sua utilização simbólica, dada pelo Espírito Santo na Bíblia. Além do mais, pelo fato de que o fermento é invariavelmente usado para representar algo que é ruim, corrupto e insatisfatório, como pode significar esse outra coisa? Seu formato é “tão rígido quanto a matemática”, e deve, então, o seu significado estar sempre em completa harmonia com a sua utilização, em qualquer outro lugar das Escrituras.

 41                O que este homem está dizendo? Está dizendo aqui o seguinte: que uma figura na Bíblia possui a mesma conotação que em todos os outros lugares; é uma… eu vou usar o termo que ele usou aqui,“tão rígido quanto a matemática”; é uma lei que você não pode mudar. Então um símbolo tem um significado na Bíblia e todas as outras vezes que você vê aquela figura ela vai ter a mesma conotação e o mesmo significado. Então ele diz: “fermento nós sabemos que é uma coisa ruim então toda vez que aparecer tem um só significado”.

 42                Eu quero dizer para você que isso está errado! [“Amém”] A Bíblia muitas vezes apresenta uma mesma linguagem figurada com conotações diferentes! [“Amém; Aleluia”] Você vai ver o apóstolo Pedro fazendo referência a Satanás: “Sede sóbrios, cuidado, vigiai! Porque o diabo vosso adversário anda em derredor bramando como um leão buscando a quem possa tragar!”.[3] Pedro usou a figura de um leão rugindo e bramando para tipificar Satanás; mas depois você vai lá para Amós 3:8 e você vai ver o profeta Amós fazendo uso da mesma figura do leão rugindo para representar Deus falando! [“Amém”] A mesma figura com duas conotações diferentes! Só com este exemplo você já anula o que este homem está falando. [“É verdade”]

 43                E há várias outras ocasiões. Você vai ver, por exemplo, a figura do ladrão; a palavra é usada também para representar o diabo. Satanás… (como que diz lá? João 10:10. Hã?) O… ladrão, não é? “O ladrão veio para roubar, matar e destruir…”. Aquilo ali é um texto referente ao falso ministério, mas nós sabemos quem é o pai dos ladrões; é Satanás, então está ali falando do diabo, a figura do ladrão para representar o diabo. Mas você também tem uma Escritura onde Deus diz: “Eis que cedo venho, eis que Eu venho como ladrão”.[4]

 44                Você tem a figura do fogo que uma hora é usada para representar o inferno e depois usada para representar o Espírito Santo sobre a Igreja [“Aleluia”]. Você tem várias figuras com conotações diferentes. [“Amém”]. E o que você me diz… o que você me diz daquele leão da tribo de Judá, de Gênesis 49? Hã? Se o leão lá… se para ele toda a figura do leão simboliza Satanás então o leão de Gênesis 49 é Satanás? Ooh… Hã?

 45                E o que você me diz também daquela figura da serpente? Você lembra quando Moisés pegou sua vara e jogou diante do faraó e ela se converteu em serpente? E os magos do faraó fizeram o mesmo, jogaram suas varas e se converteram em serpentes. Mas você lembra o que aconteceu com a vara de Moisés? [“Amém”] A serpente de Moisés pegou e engoliu as serpentes do faraó. O que simboliza isso? Simboliza ali Deus, o Senhor Jesus Cristo vencendo as hostes do diabo! Você tem ali a mesma figura da serpente com duas conotações no mesmo texto.

 46                Então este homem usou esse argumento para tentar dizer: “Esse fermento aqui tem o mesmo significado que os outros”. Errado! Isto é uma parábola e como Jesus disse que o reino dos céus é comparado ao fermento então isso tem um outro sentido, uma outra conotação que o sistema denominacional não consegue apreender, porque isso aqui é só para a Noiva. [“Amém”]

 47                Agora eu vou dizer por que esse povo aqui se enredou. Por causa da figura da mulher que aparece na parábola, não é isso? A parábola diz que… eles chegam até a mudar o – o texto. Porque a parábola diz: “O reino dos céus é semelhante ao fermento”, e eles já começam dizendo assim: “O reino dos céus é semelhante à mulher…”. Eles pegam essa figura da mulher dizendo que ela tem um simbolismo, dizendo que esta mulher aqui tipifica a falsa igreja, o sistema babilônico que mistura a falsa doutrina com a Palavra, porque farinha ali simboliza a Palavra, as Escrituras. Então eles pegam isso e dizem: “É isso que está sendo dito aqui…”. Isso não é verdade.

 48                A conotação aqui, o foco de Jesus é outro e quando você pega essa parábola e muda o foco você está em pecado, porque a palavra “pecado” quer dizer “falhar o alvo”. Jesus tinha um alvo e se você pega esse texto e dá um outro alvo para ele você está em pecado. Eu já estou dizendo.

 49                Essa mulher aqui, meu querido, não tem nenhum simbolismo aqui envolvido nesta parábola. Se isso aqui faz você se confundir e se enrolar então faça o seguinte, faz de conta que não tem mulher nessa parábola, esquece. Essa mulher não tem nenhum simbolismo aqui envolvido. O foco aqui é só o fermento e as três medidas de farinha. A mulher não tem nenhum simbolismo. Jesus só fez menção da mulher porque esse é um trabalho doméstico [“Amém”] daquele tempo da mulher.

 50                Jesus não poderia dizer: “E o sapateiro pegou o fermento e misturou…”. “E o açogueiro…”, “e o publicano…”. Não, Ele tinha que usar a figura da mulher porque Ele também tinha que estar de acordo com as Escrituras porque as Escrituras dizem – as Escrituras dizem que este é um trabalho doméstico da mulher. Lá em Jeremias 7:18 diz assim: “Os jovens carregam a lenha, os pais preparam o fogo e as mulheres amassam a farinha”. Jesus somente usou a figura da mulher porque esse é um trabalho doméstico dela, só isso.

 51                Mas o que acontece? Como eles dizem que ela possui um simbolismo e que essa mulher aqui simboliza a falsa igreja, eles gastam 90% do tempo só falando da mulher e esquecem a parábola, porque a parábola aqui não é a mulher, é o fermento. [“É verdade”].

 52                E aí… eu vou continuar lendo algumas coisas porque ele tenta aqui se arrazoar. Mas eu quero ler aqui para você por que – por que Jesus contava parábolas. Por que Ele falava do reino, por que Ele falava dos mistérios de Deus para a Noiva, para a Igreja, na forma de parábolas? Você sabe que os evangelhos falam disso. Mateus 13, eu vou ler aqui Mateus 13:10-11,13.

 53                E, acercando-se Dele os discípulos, disseram-Lhe: Por que lhes falas por parábolas? Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, (Os mistérios do reino dos céus é só para o eleito, por isso que esse povo aí fora se confunde, [“Aleluia”] por isso que Ele tem que falar por parábola para que até hoje isso continue confuso e velado para eles.) [“Amém”] …mas a eles não lhes é dado; porque àquele que tem, se dará, e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado. (Eles não tem a Mensagem da Hora então o pouco que eles tem lhe será tirado porque não serve para nada) …Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem. [“Aleluia”] E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis.

 54                Era por isso que Jesus contava aquilo só em parábolas porque isso aqui é só para a Noiva; mas você tem a revelação, você tem a Parousia, Deus aqui falando e guiando a Sua Noiva. [“Amém”] Essa Mensagem é para a Igreja, é para a Igreja Eleita!

 55                Então vamos voltar, eu quero voltar aqui para os argumentos de Lockyer porque ele usa – a – a sua interpretação dizendo que essa mulher é uma prostituta. Mas o que fez esse homem dizer que essa mulher é uma prostituta? Ele teve que usar de algumas artimanhas teológicas, delírios teológicos seus. Ele tentou se ater na palavra do Rei Tiago em inglês onde diz que essa mulher escondeu o fermento; então ele pegou a palavra “escondeu” e tentou criar um sentido místico para ela, dizendo que pelo fato dela ter escondido, ela está assim o quê? Ocultando, fazendo algo por debaixo dos panos, alguma coisa assim, que não poderia ser aceito normalmente. Enfim, ele estava querendo usar essa palavra para dizer que essa mulher estava agindo de uma maneira intencional como uma doidivanas, e ele foi tentando desenvolver isso até o ponto de dizer: “é uma prostituta, porque mulher na Bíblia tipifica a igreja, então como ela estava agindo com uma má intenção, então isso simboliza o falso ministério, a Babilônia, a Meretriz”.

 56                E… só que quando você vai lá para o grego, a palavra grega aqui que foi traduzida no Rei Tiago por “ocultar” ou “esconder”, a palavra grega lá é ekrupto. E essa palavra ekrupto possui dois sentidos que se adéquam conforme a situação. A tradução que foi feita no Rei Tiago foi uma tradução errada desse grego. Strong dá dois sentidos para essa palavra. Uma ele disse que significa “ocultar em algo”; o outro sentido significa “misturar uma coisa com outra”, ou seja, quando tem mais um ingrediente, mais alguma coisa envolvida, o sentido é de misturar. Como aqui está falando de farinha, pegou o fermento e colocou com farinha, então o termo correto para ekrupto aqui seria “misturar”. Tanto é que você vai ver algumas traduções já corrigindo isso. Você tem a tradução da Bíblia Viva, da NVI… a própria tradução do Rei Tiago para o português lá está “misturou”, porque a tradução “esconder” está errada. [Portanto essa palavra no grego não está sugerindo que essa mulher estivesse fazendo alguma coisa ilícita]

 57                Mas para ele serviu para o seu propósito porque ele tentou fazer uso disso, pegando a palavra lá do inglês “hide” para dar uma outra interpretação. E com isso ele começou a trabalhar. E depois para tentar corroborar mais a sua interpretação, o seu argumento, ele tentou fazer uso de algumas Escrituras, e este homem cita Levítico 2:11. Eu vou ler a leitura que ele fez e o que ele escreveu sobre isso, a sua interpretação.

 58                “Nenhuma oferta de cereais, que fizerdes ao Senhor, se fará com fermento” (Lv 2:11). (Agora ele vai dizer aqui:) Dessa forma, quando a mulher escondeu o fermento na farinha, fez algo que Deus proibiu. Misturou um elemento estranho à farinha.

 59                Então esse foi o argumento que ele usou para dizer que essa mulher era uma prostituta, simbolizando a falsa igreja, porque ela fez uma coisa que Deus ordenou que não fosse feito, que foi misturar fermento, levedura em ofertas de cereais para Deus; então essa mulher estava misturando fermento e a Lei diz: “Não faça isso”. Ela fez, então ela estaria em pecado. Um argumento muito bonito e muito bem construído, mas aqui está um verdadeiro sofisma e falácia. O que é isso? O que é “sofisma”, “falácia”? É uma mentira apresentada com roupagens de verdade. E é bem fácil de se desmascarar isso aqui.

 60                Ele está dizendo que essa mulher está agindo errado porque ela fez uma coisa que a Bíblia disse que era para não fazer. O Senhor disse: “Não oferte cereais para o Senhor no tabernáculo com levedura”. “Essa mulher ofereceu, então ela está em pecado”. Só que há um pequeno problema nesse argumento de Lockyer. De onde que ele tirou na parábola essa informação de que o pão que ela está fazendo é para ser ofertado em santuário? Onde está escrito que o pão é [cerimonial ou] ritualístico? Isso foi uma coisa que ele tirou da cabeça dele, a parábola não está dizendo isso.

 61                Este pão que esta mulher está fazendo não é uma oferta para o Senhor. [Essa mulher é uma dona de casa], mãe de filhos, uma esposa; ela está fazendo pão para o seu lar, para a sua casa. A parábola não está dizendo que é para ser ofertado em santuário. Isso foi uma conclusão que ele tirou, mas foi um recurso que ele usou para fazer essa mulher aqui ter algum simbolismo e ela não tem simbolismo nenhum. E isso é mais ou menos o que acontece dentro da Mensagem. Agora, eu estou te mostrando quem primeiro começou a fazer isto aqui. Eu não estou falando dos outros que depois pregaram isso. Estou te mostrando para você ver onde começou isso, quem primeiro começou a falar sobre isso. E eu estou mostrando para você os argumentos dele, que são falhos.

 62                Então a parábola fala de três medidas de farinha e fala do fermento. O que são – o que são essas três medidas de farinha? As três medidas de farinha representam os três – os três níveis da fé: justificação, santificação e a restauração dos dons, o batismo com o Espírito Santo. É isso que as três medidas estão representando aqui. Porque a farinha – da farinha você faz pão. Pão na Bíblia simboliza a Palavra; e a Palavra você tem aqui representada por essas três medidas. Aqui você tem as três etapas; você tem justificação, santificação e restauração dos dons. E o fermento? O que simboliza o fermento?

 63                Vou mostrar para você que esse simbolismo que Jesus está criando aqui para o fermento não foi um simbolismo isolado. Há uma outra ocasião em que o fermento aparece na Bíblia com a mesma conotação que o Senhor Jesus Cristo deu aqui para essa parábola.

 64                Você sabe que o fermento representava o pecado. E nas festas – como esse mesmo teólogo aqui que citou Levítico – Deus ordenava que não fossem ofertadas ofertas de cereais no santuário com levedura. Mas você sabia que havia uma festa em que Deus ordenava ao adorador ofertar pão com fermento? “Mas que festa é essa? Que loucura é essa, irmão Diógenes? Se fermento simboliza pecado como que Deus vai permitir que o Seu povo oferte pão com fermento?”. Sim! Havia uma festa na Lei que Deus mandava o povo ofertar, e não era um não, eram dois pães com fermento! Você sabe que festa era essa? Pentecostes… E eles não sabem até hoje explicar por que isso.

[Levítico 23:17:

Das vossas habitações trareis dois pães de movimento; de duas dízimas de farinha serão, levedados se cozerão; primícias são ao Senhor.]

 65                Lockyer desesperadamente, sem entender, ele criou um caos com os simbolismos das festas e disse que esse fermento do pão levedado que era ofertado na festa de pás – de pentecostes simbolizava ali a natureza pecadora do adorador que estava ali servindo. Ele falava que os dois pães representavam os judeus e os gentios, e o pão levedado… os dois pães representavam ali o judeu e o gentio apresentando-se a Deus com a sua natureza pecadora. Isso foi uma atitude desesperada, e isso é próprio do sistema denominacional porque eles não tem a revelação, não tem entendimento.

 66                Ao fazer isso ele quebrou todo o simbolismo das festas, porque o pentecostes vem depois da páscoa! Deus ordenou que a festa de pentecostes fosse feita contando cinqüenta dias depois da páscoa, não foi isso? Por que isso? Porque as duas festas estão interligadas; na verdade o pentecostes é uma conseqüência da páscoa. O pentecostes é o resultado da páscoa! Não poderia haver um derramar do Espírito Santo sobre a Igreja no pentecostes sem antes ter havido o sacrifício do Cordeiro pascal lá no Calvário. Então o pentecostes é o resultado.

 67                Por que o pão da páscoa era ofertado sem levedura? Porque aquilo tipificava o pecado que estava sendo morto pelo Cordeiro pascal na cruz. Agora, por que na festa do pentecostes aparece o pão com fermento? Porque este pão com fermento está representando algo que Deus está fazendo para ser colocado no lugar do fermento do diabo que foi abolido na cruz. É esse o simbolismo.

 68                Na páscoa não há pão com fermento, o fermento é removido porque simboliza o pecado que foi abolido na cruz. Mas agora no pentecostes você tem pão com levedura, pão com fermento, para representar um outro fermento que substituiu o fermento de Satanás que foi abolido na cruz. E que fermento é esse? O mesmo fermento de Mateus 13:33. Esse fermento é Deus mesmo! É a Sua Presença, é o Reino dos céus que é semelhante, é comparado ao fermento. Esse fermento misturado com as três medidas de farinha é a Mensagem da Hora!

 69                Deus mesmo operando em Sua Igreja, o reino dos céus. Todo o Novo Testamento fala dessa hora. E essa festa do pentecostes… por que dois pães? Por que dois pães na festa do pentecostes? Porque isso era uma obra que seria repetido duas vezes; duas vezes no pentecostes Deus iria Se manifestar de uma forma peculiar enviando um mensageiro, enviando a Coluna de Fogo e esse mensageiro com uma Palavra, com uma Mensagem, porque o fermento ali do pentecostes simboliza isso. Nós tivemos dois pentecostes, um no alfa e um no ômega, por isso os dois pães com levedura porque essa levedura, esse fermento, é Deus mesmo Se manifestando em duas ocasiões, no alfa da Igreja e no ômega da Igreja.

 70                Quando ele disse que aquele fermento no pentecostes é o pecado ele está revivendo o pecado que foi morto, que foi abolido na festa da páscoa em termos simbólicos. Então é isso que eu estou dizendo, que essa interpretação anula as Escrituras, anula os simbolismos das festas. É isso que a Parábola está dizendo. Este Fermento – este Fermento é Deus mesmo, é Deus mesmo fazendo uma obra.

 71                E o que Ele disse que esse fermento ia fazer com a – com a farinha? Ia levedar, não é isso? Misturar o fermento com a farinha até ficar tudo levedado. O que é levedar? Crescer, crescer, crescer! Jesus disse: “Isso é o Reino dos céus”. Esta é a obra de Deus, da Sua Presença em meio ao Seu povo; em meio ao povo e dentro do povo, o Fermento de Deus.

 72                Quando o Fermento de Deus foi derramado no pentecostes o que aconteceu? Aquela massa reunida lá começou a se encher, encher, encher, encher do Espírito Santo e saltou pelas portas, saltou pelas janelas falando em línguas e profetizando porque ali era o Fermento de Deus dando levedura, fazendo crescer a massa. [“Aleluia”] Dando vida, dando vida à Palavra.

 73                Porque a farinha tipifica a Palavra e quando você tem só o pão sem o Fermento você tem a Palavra sem Deus, a Palavra sem vida. [“Amém”] Eu quero dizer para você que uma das coisas que nós mais temos visto aqui é muita farinha, muita palavra, muito versículo, muito parágrafo e não tem o Fermento de Deus. [“Aleluia”]. Eles conseguem ver o fermento do diabo, mas não conseguem ver o Fermento de Deus.

 74                Eu quero dizer para você uma coisa, meu irmão, o profeta nos ensinou… não mude disso, o profeta disse que Satanás vê – faz tudo que Deus faz só que ele personifica para o ruim. Se o diabo tem um fermento é porque Deus antes tinha o Seu. [“Amém”] O que Satanás faz é tentar copiar isso e muda para o seu propósito. Se o diabo tem um fermento, Deus também tem um Fermento! [“Aleluia”] Você nunca ouviu isso. [“Não”] Isso nunca foi dito antes. Deus tem um Fermento! [“Glória a Deus”] E o Fermento para essa hora é a Mensagem porque só a Mensagem da Hora tem o Fermento que leveda a massa, que dá vida a essa Palavra! [“Aleluia”]

 75                [Agora, vamos supor só por um momento que esse teólogo estivesse certo, ou seja, de que esse pão que essa mulher está preparando era um pão cerimonial. Bem, como vimos, havia uma festa onde o adorador tinha que ofertar pão com levedura. E se o pão que ela está preparando fosse justamente para essa ocasião? Então ela estaria em pecado se tentasse ofertar sem fermento. Porém o seu pão sequer poderia ser recebido pelo sacerdote porque só de vista ele saberia que não era levedado. O que fez ele pensar que o pão da parábola é cerimonial mas somente para a páscoa ou para alguma outra ocasião, menos para o pentecostes? Vê como é falho o argumento de Lockyer?]

 76                Vamos lá, vamos começar aqui… (Já terminei com Lockyer? Já terminei). Bom, o que ele fala não faz sentido, ele tentou dar a interpretação pessoal dele mas ele não é profeta, não tem vindicação, tem que ser crente nessa Mensagem, tem que ter a revelação dessa Mensagem para você entender as Escrituras porque é parábola. Ela fica encoberta porque ela está encoberta para aqueles que não nasceram para essa Palavra. Então o ministério paralelo trabalha para você ficar confuso. E tudo que o diabo conseguir fazer para te distrair, dar atenção para uma outra doutrina, um outro pensamento, um outro ensino que não seja a Palavra de Deus ele vai fazer.

 77                Vamos continuar aqui. Então a parábola do reino dos céus… Jesus não está falando do éden de Satanás, está falando do Éden de Deus. É o Fermento de Deus. E a melhor forma de você entender melhor essa parábola é ler um outro texto onde ela é mencionada dentro do seu contexto; porque existe uma outra Escritura do Evangelho onde essa parábola é citada mas dentro do seu contexto, onde ali você entende porque Jesus contou aquela parábola. Ele contou aquela parábola para ilustrar uma coisa que aconteceu… o livro de Mateus apenas fez uma lista, mas o livro de Lucas – eu queria que você lesse comigo – você vai ver essa citação, essa parábola sendo repetida, mas ali você vai entender porque ela estava sendo contada. Você vai ler isso lá em Lucas 13, nós vamos fazer a leitura do versículo 10 até o versículo 21. Ocorreu uma situação dentro de uma sinagoga e Jesus para ilustrar o que aconteceu ali dentro Ele conta duas parábolas.

 78                Lucas 13:10-21 diz assim:

E ensinava no sábado, numa das sinagogas. E eis que estava ali uma mulher que tinha um espírito de enfermidade… havia já dezoito anos; e andava curvada, e não podia de modo algum endireitar-se. E, vendo-a Jesus, chamou-a a si, e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade. E pôs as mãos sobre ela, e logo se endireitou, e glorificava a Deus. E, tomando a palavra… (Escute isso) tomando a palavras o príncipe da sinagoga, indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa? E, dizendo Ele isto, todos os Seus adversários ficaram envergonhados, (E agora escute isso aqui) e todo o povo se alegrava por todas as coisas gloriosas que eram feitas por Ele. [“Aleluia”] Dizia: A que é semelhante o reino de Deus, e a que o compararei? (Agora Ele vai contar duas parábolas para ilustrar o que aconteceu ali) É semelhante ao grão de mostarda que um homem, tomando-o, lançou na sua horta; e cresceu, e fez-se grande árvore, e em seus ramos se aninharam as aves do céu. E disse outra vez: A que compararei o reino de Deus? É semelhante ao fermento que uma mulher, tomando-o, escondeu em três medidas de farinha, até que tudo levedou.

 79                “Irmão Diógenes, o que essas duas parábolas tem a ver com o que aconteceu ali?”. Pois é, Ele está usando essas parábolas para explicar aquilo, essas duas parábolas ajudam a ilustrar; agora, é claro, essas duas parábolas tem sido mal interpretadas pelo sistema denominacional. Eles dizem que essa árvore que cresce e que tem ninhos é o sistema [babilônico] com as suas – suas várias doutrinas… bom, não vale a pena comentar. Vamos lá. Ele usou essas duas parábolas, a primeira foi essa… um grão de mostarda que um homem tomou, lançou sobre a horta, cresceu e fez grande árvore. Uma sementinha pequenininha foi plantada; cresceu, cresceu, cresceu, cresceu, cresceu, cresceu, cresceu! Até os galhos se estenderem e os pássaros vieram e fizeram ninhos. Depois Ele conta outra parábola, um fermento que é colocado em farinha, e a massa começou a levedar e crescer, crescer, crescer, crescer, crescer! Jesus pega essas duas figuras e diz: “Assim é o Reino dos céus”, [que é Deus mesmo fazendo “coisas gloriosas” em meio ao Seu povo]

 80                Agora, eu não sei se você vai se recordar, mas no culto anterior eu disse que a Parousia está aqui para produzir dois grupos: há um grupo que aceita a Mensagem e há um outro grupo que rejeita, como lemos no início. Essa Palavra, esse aroma, a fragrância do conhecimento de Deus, é um cheiro de morte para a morte e cheiro de vida para a vida. [“Amém”] E se você prestou atenção, quando Jesus fez a obra aqui nessa sinagoga foi-se criado ali dois grupos, dois grupos se dividiram, [“Amém”] porque é isso que a Parousia faz quando Ela Se manifesta e está presente fazendo a obra.

 81                Dois grupos são criados. Houve um grupo que rejeitou, que não gostou, aquilo para eles foi cheiro de morte para morte; e qual foi o recurso que eles usaram para contrariar e combater a obra do Espírito Santo, a obra de Deus ali? “A letra diz, a Lei falou”. O que é isso? Farinha sem Fermento. Era isso que Jesus estava fazendo para ilustrar. Farinha… tem muita gente que tem muita farinha, muita letra, muita Escritura, muito parágrafo, mas não tem o Espírito, não tem o entendimento, não tem o Fermento de Deus. [“Amém”]

 82                Agora, vamos lá, vamos começar, você já está começando a entender. [“Amém”] Ele usou a figura do grão de mostarda que começou a crescer, crescer… o que é isso aqui? Isso é uma obra visível. Essa parábola Jesus contou para ilustrar o reino dos céus em meio a nós. Você tem aqui um tabernáculo com um povo reunido, você tem outra cidade com mais um outro povo reunido; você tem lá em Francisco Morato, você tem lá em Minas Gerais, você tem nos EUA, etc., em todos os lugares onde a Mensagem da Hora é pregada você tem ali o povo se reunindo, [representado por aquelas aves que faziam os seus ninhos em diferentes ramos mas na mesma árvore, a qual beneficiava a todos]. Essa parábola está falando desse mover de Deus que vem ao nosso redor, o reino dos céus, a Parousia Se movendo em nosso meio. E a parábola do pão com fermento fala do quê? Fala da obra do reino dos céus operando dentro do crente, porque tem um duplo sentido. O reino dos céus em meio a vós e dentro de vós.

 83                E esse povo estava se regozijando; por que isso? Porque era uma obra que Deus estava fazendo ali nos Seus filhos, dentro deles, convertendo os seus corações, preparando para receber a Mensagem, como o ministério do Elias faz, Ele está preparando, é uma obra que você não vê, mas é o reino dos céus operando tanto externamente como internamente, em nosso meio e dentro de nós. Diga “glória a Deus” por isso [“Glória a Deus”]

 84                Oh aleluia! Estamos quebrando uma tradição aqui esta noite igreja. Saiba você disso ou não. E deixe eu dizer uma coisa… esse pessoal que está interpretando errado… Escute isso aqui; (ah, o cavalo está passando encilhado meu amigo, eu vou montar. Achou que eu ia deixar passar isso aqui? Não.) quando um ministro da Mensagem pega uma interpretação como essa de Lockyer, que é uma interpretação denominacional, e usa para combater [o sistema babilônico]… porque… qual é o objetivo deles de fazer essa interpretação? [Eles querem combater a doutrina híbrida que está sendo pregada], a Palavra com doutrina de homens; eles usam essa interpretação para dizer: “Veja, estão misturando o fermento com a Palavra, e assim fazem alguns ministros, estão pegando tradições e misturando com a Palavra revelada”. Só que essa interpretação [dessa parábola] é de Laodicéia, foi um laodiceiano que inventou isso. Então quando eles pegam essa interpretação e trazem para a Mensagem para combater essa [mistura de ensino] que está sendo feita, eles mesmos estão se auto-condenando ao pregar assim porque eles mesmos estão fazendo isso; pegando uma interpretação de Laodicéia e misturando com a Mensagem. Eles estão condenando a si próprios ao fazer isso, com essa interpretação. Achou que eu ia deixar escapar? Falei. Pronto.

 85                Agora vamos continuar. Veja, dois grupos. Dois grupos foram separados ali. Havia aquele que tinha só o conhecimento da letra, só o conhecimento da Palavra, só Escritura, só Escritura, só parágrafo, só parágrafo, mas não tinha Fermento. E como eu disse, nós temos visto muitos lugares aí onde você vê farinha, farinha, farinha, palavra, palavra, palavra… mas falta o Fermento. Falta o mover de Deus ali. Porque Deus através do Seu Filho disse: “Minhas Palavras são Espírito e são vida.” [“Amém”] Espírito e vida. E o Fermento… ele faz o que com a massa? Leveda, faz crescer, por quê? Porque é vida! [“Amém”] O Fermento de Deus traz vida! [“Aleluia”]

 86                Você tem que ter a Farinha, você tem que ter a Palavra, mas você tem que ter o Fermento de Deus nisto aqui. Lá na páscoa você tem o pão sem fermento porque é o fermento do pecado que é abolido na cruz pelo Cordeiro pascal; mas agora no pentecoste você tem o fermento porque é Deus preenchendo o vazio deixado pelo fermento do pecado que foi abolido. Diga “glória a Deus” se você está entendendo isso. [“Glória a Deus”; “Amém”]

 87                Então o que é isso? Isso é a Mensagem da Hora. O Fermento de Deus é a Mensagem da Hora que é uma Mensagem de preenchimento. Diga isso comigo: A Mensagem da Hora [“A Mensagem da Hora”]; é uma Mensagem [“é uma Mensagem”] de preenchimento [“de preenchimento”]. Vamos ler uma mensagem sobre isso agora. Vamos lá.

 88                O irmão Branham pregou isso no sermão “Torre de Babel.” O próprio título para mim já é uma “Babel” porque isso aí é uma confusão. O texto em inglês lá não é “Torre de Babel” não; o título do sermão em inglês é “A União da Unidade”. Por que traduziram “A União da Unidade” por “Torre de Babel” eu não sei. Talvez pegaram do espanhol e quem sabe no espanhol receberam autorização para mudar para “Torre de Babel” e conservaram para o português… eu não sei, só sei que no inglês lá está “A União da Unidade”; mas aqui está “Torre de Babel”, eu creio que todos vocês conhecem esse sermão, essa mensagem que foi traduzida para nós. Vou ler o parágrafo 48 em diante. Preste atenção no que o profeta aqui vai dizer. Ele vai contar aqui uma ilustração, um caso que todos vocês já conhecem quando Billy Graham ministrava uma vez e conseguia tantos convertidos, mas depois ele voltava e não tinha mais aquele tanto que ele… [“Amém”] não é isso? Preste atenção nisso aqui, vai ser bom você ouvir isso aqui de novo; sei que você já conhece. Parágrafos 48-50, 59, 93:

 89                Eu o ouvi dizer diante de um grupo de pregadores quando ele apanhou a Bíblia assim… ele disse: “Este é o exemplo”. Ele disse: “Paulo ia até uma cidade, e fazia um convertido. Ele voltava um ano mais tarde e ele tinha trinta convertidos”. Ele disse: “Eu vou a uma cidade (Agora é Billy Graham falando) e tenho vinte mil convertidos. Volto depois de um ano e não tenho vinte”. (Agora o profeta falando) Oh, como eu gostaria de dizer alguma coisa! Mas aquela reunião era sua. Billy Graham… (escute isso aqui) Billy Graham com a sua mensagem está dizendo às pessoas que se arrependam e saiam do pecado.

 90                O que o profeta aqui está dizendo? A mensagem de Sodoma – dos anjos de Sodoma, Billy Graham e Oral Roberts… qual era a mensagem deles? A mensagem do “sair do pecado”; é a mensagem do pão sem fermento, não é isso? “Faça morrer o vosso eu pecador. Faça morrer, mortificai as vossas carnes, faça morrer aí o pecado… o fermento do pecado”. Essa era a mensagem que eles tinham. A mensagem dos anjos de Sodoma era essa. Agora o profeta vai dizer:

 91                …E esta é uma mensagem essencial …Billy Graham com a sua mensagem está dizendo às pessoas que se arrependam e saiam do pecado. E esta é uma mensagem essencial.

Huh, nós precisamos disso, precisamos dessa mensagem do esvaziamento. Sim, nós tivemos isso. A páscoa passou, não passou? Nós tivemos lá como simbolismo, o pão ázimo como simbolismo representando a morte do pecado pelo Cordeiro pascal. É uma mensagem que nós temos que ter, sim, o profeta também pregava isso. Mas não é só isso que você tem que ter. Vamos lá…

 92                …E esta é uma mensagem essencial. Deus escolheu Billy Graham para fazer isto. Ninguém mais pode fazer isto como ele tem feito, porque ele está seguindo o Senhor. (Ok. Tudo bem) Ele está no Espírito de João, o qual antes da primeira vinda de Cristo saiu e pregou o arrependimento e não fez nenhum milagre, mas ele pregou e agitou as regiões e as fez prontas para a próxima mensagem que estava vindo. (Veja, é a Parousia preparando para algo que estava vindo, usando João Batista, o Elias daquele dia, da primeira vinda de Cristo. Agora o parágrafo 50) …   Mas hoje Billy Graham, nosso amado irmão, está fazendo com que as pessoas se esvaziem de seus pecados, mas ele não tem a mensagem de preenchimento.

 93                O sistema denominacional só tem a mensagem do pão sem fermento. [“É verdade”] Mas nós temos a mensagem do pão com Fermento que é a Mensagem com preenchimento! [“Glória a Deus”] É bom tirar o fermento do pão, o fermento do diabo, mas depois que você tira você tem que ter alguma coisa para ocupar aquele lugar porque senão o diabo volta e ocupa o seu lugar de novo. Você tem que ter uma Mensagem de preenchimento! E o profeta aqui está dizendo que eles não tem essa mensagem. Eles só tem essa mensagem: “Morra para o pecado”. Isso é bom, você tem que fazer isso, mas e depois? Depois que você tira o fermento do diabo o que você tem que ter aí no lugar dele? Você tem que ter o Fermento de Deus aí, meu irmão. Você tem que ter o reino dos céus aí, você tem que ter Deus mesmo, a Presença de Deus, a Parousia de Deus em você! Para levedar a massa, dar vida a essa Palavra! Por isso que o homem voltava lá e não tinha mais os convertidos dele, porque era só essa a mensagem que ele tinha, de esvaziamento, mas a Mensagem de preenchimento ele não tinha. Mas nós temos porque está aqui, o reino dos céus está dentro de nós e em meio a nós. Diga “glória a Deus”. [“Glória a Deus”; “Aleluia”] Oh, eu me sinto religioso, como dizia o profeta.

 94                 Agora, depois que as pessoas creram e foram batizadas, elas se encheram do Espírito Santo, (Isso aqui é o quê? O Fermento de Deus lá no pentecostes. Mas veja, eram dois pães levedados porque era uma obra que Deus ia fazer duas vezes. [As chuvas temporã e serôdia] O sistema teológico aí fora não sabe disso. Eles dizem que é – é a natureza pecaminosa, quebrando o simbolismo da… você já entendeu. O profeta aqui está falando do Fermento de Deus, o Espírito Santo Se movendo em Seu povo) …as pessoas creram e foram batizadas, elas se encheram do Espírito Santo… (Isso é a Parousia, essa é a Presença de Deus em meio ao Seu povo) E este – este é o programa divino de Deus. Agora, se você está cheio do mundo… (Escute isso aqui agora) Quando você está salvo, você pode estar cheio de bons pensamentos e assim por diante, mas a menos que você esteja cheio de Deus… Deus enviou o Espírito Santo à terra para motivar a Igreja.

 95                É isso que o Fermento faz; Ele leveda a massa, motiva, dá crescimento, dá progresso; Isso é o Espírito Santo, é Deus, é a Presença, é a Parousia, é o mover de Deus. Deus enviou o Espírito Santo para promover uma “motivação” na Igreja e é a Mensagem de preenchimento que faz isso.

 96                …motivar a Igreja. Você pode estar cheio de pensamentos…

O que são esses pensamentos aqui? Farinha. Escritura. Parágrafo. Você pode estar cheio disso aí e é muito bom. Eu disse na outra vez que estive aqui que é muito bom você citar parágrafos, mas eu me pergunto: qual é o espírito que te faz – que te move a fazer isso? O que mais que acompanha isso? Você tem a Farinha, mas e o que mais? Você tem que ter mais alguma coisa. O reino dos céus tem que ter a Farinha – as três medidas – justificação, santificação, sinais, restauração dos dons, tudo isso é muito bom, mas você tem que ter a Mensagem da Hora junto aí. Você tem isso tudo? Ou você só tem bons pensamentos? Você só tem teologia? Porque era só isso que os fariseus tinham lá, eles só tinham a letra, e só a letra mata. “A letra diz: não faça nada disso no sábado”. Porque eles só tinham Farinha, eles não tinham Fermento.

 97                 Deus enviou o Espírito Santo à terra para motivar a igreja. Você pode estar cheio de pensamentos. Você pode estar cheio de teologia. Você pode estar cheio de cultura… um “sabe tudo”. (Você pode ter todos os cursos acadêmicos que você conseguir fazer. Você pode se encher de cultura, o profeta está dizendo isso; bons pensamentos. Isso tudo é o quê? Farinha sem Fermento. É disso que o profeta está falando.) …Você pode estar cheio de religião… e continuar sendo um alvo do diabo. Isso mesmo. O que o mundo precisa hoje é daquele mesmo preenchimento. (O mundo, o povo de Deus precisa de um preenchimento) Quando o vazio chega, ele precisa de um preenchimento. O que aquele preenchimento faz quando ele chega? Onde você tem dúvidas, isto traz fé; (Oh, eu não compreendi a doutrina da Divindade até que eu tive a Mensagem do preenchimento, só aí minhas dúvidas foram embora; quando você tem Isso as dúvidas vão embora, disse o profeta)

 98                …Onde você tem dúvidas, isto traz fé; onde você tem indiferença, isto traz amor…

Veja, onde há falta do Fermento de Deus há indiferença. O povo não te cumprimenta, não te dá “Deus te abençoe”, vira as costas para você, pensa em alguma coisa e não está preocupado se o outro vai se ofender ou se magoar. Por quê? Porque é indiferente. E por quê isso? Porque não tem o Fermento. Pode ter muita Farinha, pode ter muitos versículos e parágrafos, mas se você não tem esse Fermento, meu querido, você vai fazer isso que o profeta disse, você vai ser indiferente. Mas onde há indiferença, quando você deixa o Fermento de Deus entrar ali você tem amor. [“Amém”] Hã? Um casamento não é bem construído se os dois conjugues não tiverem esse Fermento. Se você não tiver esse Fermento você vai ser indiferente ao outro, e você só vai fazer críticas ao outro. E se o casal – o casamento acabar, você vai sempre culpar o outro, quando na verdade o que deve ter faltado foi Fermento na tua vida, meu irmão e minha irmã. É disso que você precisa. Quando você tem o Fermento a massa se motiva, ela cresce… Aleluia. Oh… Ouça o que o Espírito Santo está dizendo.

 99                …O que aquele preenchimento faz quando ele chega? Onde você tem dúvidas, isto traz fé; onde você tem indiferença, isto traz amor; onde você tem ódio isto traz companheirismo; (Veja, quando não há o Fermento de Deus não há companheirismo, o povo não se ama, o povo se isola, o povo não se comunica. [“É verdade”] Mas onde há o Fermento há companheirismo. Essa mensagem é tão viva hoje como foi naquele dia) …onde você tem ódio isto traz companheirismo; e então a Igreja do Deus Vivo, algum dia será unida sob uma grande cabeça, e aquela será a Cabeça de Deus. Deus dentro do Corpo unido de Cristo, será o Governante e o Rei do Senhor sobre toda a Igreja, sob o Seu controle.

 100            Então a Mensagem da Hora é a Mensagem com preenchimento. Leia, estude, leia as traduções, estude os parágrafos, busque por Farinha, busque o conhecimento, mas antes, acima de tudo, tenha também este Fermento. Seja cheio deste Fermento. Porque qualquer coisa que o inimigo puder fazer para te dar distração ele vai fazer; e isso vai ser para quê? Para não deixar o Fermento ocupar o Seu lugar, para não operar na sua vida a obra que Deus quer fazer. O que o inimigo puder fazer para desfazer a obra do Senhor na tua vida e em nosso meio ele vai fazer. Então o que você tem que fazer? É ficar atento, não sair da fileira, mas… não se descuidar com nada, não ficar desatento com nada; mas manter-se firme, recebendo essa Mensagem, focalizando a tua vida Nela e deixando essa levedura, esse Fermento de Deus aí meu irmão, frutificar e fazer crescer e crescer e crescer e crescer e crescer. [“Aleluia”] Porque Isso, disse Jesus, é o reino dos céus! [“Amém”; “Glória a Deus”]

 101            Agora, existe somente uma ocasião onde essa palavra “três medidas de farinha” foi citado mais de uma vez na Escritura, e isso foi sabe aonde? Lá em Gênesis 18 quando Elohim visitou Abraão debaixo dos carvalhais de Manre. Hã? Abraão apareceu com dois anjos e Abraão… (oh, desculpe) Elohim apareceu, o Senhor apareceu para Abraão com os Seus dois anjos e… bom, é melhor eu ler o texto porque eu anotei aqui, fica mais fácil. Vamos lá. Gênesis 18:1-10

 102            Depois apareceu-lhe o Senhor nos carvalhais de Manre, estando ele assentado à porta da tenda, no calor do dia. E levantou os seus olhos, e olhou, e eis três homens em pé junto a ele. E vendo-os, correu da porta da tenda ao seu encontro e inclinou-se à terra, e disse: Meu Senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, rogo-te que não passes de teu servo. Que se traga já um pouco de água, e lavai os vossos pés, e recostai-vos debaixo desta árvore; trarei um bocado de pão, para que esforceis o vosso coração… (verso 6) E Abraão apressou-se em ir ter com Sara à tenda, e disse-lhe: Amassa depressa três medidas de farinha…

A mesma medida da parábola de Mateus 13:33, e você já sabe o que as três medidas simbolizam: justificação, santificação e restauração dos dons. Só está faltando o quê aqui? O fermento. Mas o que é o fermento? O que eu disse que era o fermento? Vamos lá, vamos continuar a leitura.

 103             …E tomou manteiga e leite, e a vitela que tinha preparado, e pôs tudo diante deles, e ele estava em pé junto a eles debaixo da árvore; e comeram.

Elohim comeu. Mas aí você vai perguntar: “Mas e aí irmão Diógenes? Está aqui as três medidas, mas cadê o fermento?” Mas o tempo todo eu estou dizendo que o fermento é Deus, Elohim é o Fermento, está ali, Elohim que está ali comendo e participando. E qual foi a mensagem que eu disse que a Parousia está dando aqui e promovendo? A Parousia está o tempo todo preparando a Noiva para o Noivo dizendo: “Prepare-se! Jesus está voltando. O Filho está chegando”. E depois que Elohim participou daqueles elementos, as três medidas de farinha e tudo mais o que aconteceu, você se lembra? Depois que Ele terminou de comer?

 104            …E disseram-lhe: Onde está Sara, tua mulher? E ele disse: Ei-la aí na tenda. E disse: Certamente tornarei a ti por este tempo da vida; e eis que Sara tua mulher terá um filho. E Sara escutava à porta da tenda, que estava atrás dele.

Essa é a obra da Parousia. A Parousia está aqui agora dizendo: “Igreja, prepara-te, o Filho está voltando!”. E quando Elohim participou o que foi que Ele disse? “Prepare-se Abraão! Prepare-se Sara! O Filho está chegando!”. Essa é a mensagem da Parousia.

 105            Agora, você observa que quando aqueles dois anjos foram lá para Sodoma, a Palavra faz questão de dizer que o pão que Ló serviu para os anjos em Sodoma era pão sem fermento![5] Porque foi isso que o profeta falou. Essa é a mensagem dos anjos de Sodoma, o pão sem fermento, a mensagem do esvaziamento. Mas ali debaixo dos carvalhais de Manre você tem Abraão, o povo eleito representado ali, com as três medidas de farinha, todas elas, mas você tem ali Elohim, o Fermento de Deus ali. [“Aleluia”] O sistema denominacional tem o quê? Pão sem Fermento, mas nós temos o pão com Fermento, o Fermento de Deus, que é essa Mensagem da Hora.

 106            Então é isso que Deus quer fazer. Deus quer promover essa obra de crescimento e Deus está fazendo isso, porque Deus mesmo está aqui, Elohim está aqui dizendo: “Prepare-se que o Filho está chegando. Prepare-se que o Filho está vindo”. E Ele está fazendo isso através da Sua Palavra e quando você crê nessa Palavra, essa Palavra Se encarna em você, você se torna essa Deidade, você se torna essa Palavra encarnada, e quando você fala essa Palavra você tem aí Deus falando através de você.

 107            E você tem através disso a repetição do que aconteceu com José quando apareceu perante o faraó. Você lembra quando José apareceu perante o faraó para interpretar os seus sonhos? Ele disse: “Haverá três anos de… sete anos de fartura e sete anos de escassez”. E o faraó perguntou: “O que devo fazer?”. “Quando você tiver os sete anos de escassez – de fartura, você terá que procurar alguém que consiga administrar os – a casa do faraó para que depois quando houver o tempo de escassez e de penúria o povo do Egito não passe fome e necessidade. Você tem que escolher alguém aí que possa administrar as terras, as lavouras…”. O faraó disse: “Eu não tenho ninguém a não ser você. Você vai ser este homem. Você vai ser o administrador. Você vai ser o segundo depois de mim”. E você lembra depois o que o faraó fez? Ele mudou o nome de José para Zafenate Paneia. Você sabe o que significa essa palavra? “Zafenate Paneia” significa “Deus fala, Deus vive por teu intermédio”.[6]

 108            O faraó estava dizendo: “Eu não estou vendo aqui um homem falando comigo, eu estou vendo Deus falando comigo, Deus em carne humana falando comigo”. E Deus quer fazer de você um Zafenate Paneia; Deus quer falar, Deus quer viver através de você! Mas para isso você tem que ter essa Palavra, você tem que ter essas mensagens, mas você tem que ter o Fermento para dar vida a essa Palavra. [“Glória a Deus”] para que você seja o quê? Aquilo que a Palavra diz, sermos co-participantes da Sua natureza Divina.

 109            E eu quero encerrar este estudo com as palavras do profeta em “A Grande Luz Resplandecente”, parágrafos 58-60. Eu faço essa leitura e encerro a mensagem para os irmãos. O profeta diz assim… porque isso é para resumir o que eu tenho ensinado aqui. A Parousia está aqui para promover a Vinda do Senhor, Deus está aqui operando, [“Amém”] movendo o Seu povo, dando a ele o Fermento para levedar a massa. “Ah! Para que isso irmão Diógenes?”. Porque Ele quer isso, Ele quer que você cresça, Ele quer que você progrida, Ele quer que você avance. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor!

 110            E isso não tem fim. Porque você acha que isso aqui… esse fermento é só até quando? O reino dos céus não acaba, meu irmão, isso é eterno. Esse Fermento não é só até a Ressurreição e o Arrebatamento. “Ah depois disso já está bom”. [Não! Depois disso você vai ter o reino Milenial. “Oh, aí sim já estará bom. Isso já será o suficiente”]. Não! Tem mais! Você vai ter a Nova Jerusalém. Você vai ter mais crescimento. “E aí depois acabou?”. Não, depois disso você ainda terá novos céus e nova terra. Não acaba meu irmão, não tem fim, isso é para cima, crescendo, crescendo e crescendo indefinidamente, porque o nosso Deus é um Deus de continuidade. [“Graças a Deus”]

 111            O profeta diz aqui:

Quando algo acontece, que ancora aquela esperança em você, que não importa quão doente você fique, depois, não adianta de jeito nenhum o diabo procurar tentá-lo com algo contrário. (Para tirar a tua atenção, para tirar o teu foco) Está ancorado para sempre. Não importa quanto o inimigo faça você tentar viver uma vida errada, você está ancorado para sempre, pois você entrou na Presença Dele, [“Amém”] dentro de uma Luz divina que mudou seu ser mais íntimo e pôs um gozo, campainha de salvação, tocando dentro de seu coração, acerca do qual o mundo não sabe nada, (porque eles não podem ver isso, os teólogos não conseguem enxergar isso, mas o povo eleito consegue ver. Aleluia) [“Amém”] …que você passou da morte para a Vida. A morte e suas sombras fugiram de você, e você se tornou uma nova criatura quando você entrou nesta Luz divina. Enquanto aqueles magos permaneciam fascinados, enquanto eles observavam aquela Luz, finalmente eu posso ouvir um dizer para o outro: “Oh, não é este um sinal magnífico de que algo está para acontecer?”. Verdadeiramente, hoje, também, quando nós entramos na Presença do Senhor Jesus Cristo, é um sinal divino de que algo está para acontecer: Sua gloriosa segunda Vinda está próxima.

Diga glória a Deus. [“Glória a Deus”] Você pode aplaudir o Senhor Jesus Cristo? Aplaude ao Senhor Jesus. [A congregação aplaude – Ed.]

Obs.: As palavras contidas entre colchetes neste sermão são de notas acrescentadas pelo irmão Diógenes ao áudio original.

 Este sermão intitulado “O Fermento de Deus” foi pregado pelo irmão Diógenes Dornelles, em 17 de abril de 2012, terça-feira à noite, em São José-SC (Duração: 1h e 14 min.).

diogenes.dornelles@yahoo.com.br

http://diogenestraducoes.webnode.com.br

www.doutrinadamensagem.com



[1] Refere-se ao estudo “A Presença do Reino de Deus”.

[2] Marcos 8:15

[3] 1 Pedro 5:8

[4] Apocalipse 3:3; 16:15

[5] Gênesis 19:3

[6] Também significa “revelador de coisas secretas”.

Gostou? Compartilhe na rede!
Tags

Nenhum comentário  - Clique aqui para comentar!

No comments yet.


RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Dados da Matéria

Dados do Autor

Doutrina da Mensagem Admin do site doutrina da mensagem » Blog do autor. » Site do autor.